sábado, abril 07, 2018

Da saudade


Se eu pudesse voltava
à primeira vez de tudo
a primeira vez na vida
no momento em que os olhos se abrem
rompendo o vazio para tudo começar
ao primeiro cheiro, som ou riso
Ao primeiro toque ao primeiro sentir e depois o sorriso.

Eu voltava ao primeiro tudo
Agradecia pelas vezes em que em vez de tudo veio o nada, a ausência ou a escuridão. 
E então, abria os olhos pela primeira vez 
a tudo. 

quinta-feira, janeiro 11, 2018

Gavetas e compartimentos


Sento-me à janela, observo as árvores abanam com o vento. Quem me dera que fosses esse vento fresco e que percorresses o meu corpo cima a baixo. Sento-me à tua espera e afinal tu nunca vens. O amor é um balão livre e às vezes vai à deriva à espera de nunca rebentar. A paixão é algo que te amarra e tem tentáculos que vão sorvendo a terra, criando raízes que sobem em sentido contrário, de baixo para cima até não conseguires respirar. Dá-se um sufoco, uma dor, mas uma dor boa, daquelas que queres repetir.
Estou à espera mas parece que nada acontece, só vento fresco e quente e não há notícias tuas. Estou à espera e parece que só há vazio, abandono, pareço um tronco de árvore oco, nem sequer os bichinhos aqui habitam. Comeram tudo e foram embora à procura de outro sabor parecido com este amor.
Escrevo-te e parece que é para ninguém ou para alguém algures sem rosto. Escrevo tantas folhas e tantas páginas, palavras, depois rasgo-as e amachuco e depois volto a lê-las. Ficam mais bonitas amachucadas e usadas – parece que alguém as leu. Tenho tantas palavras mas não tenho princípio nem fim, perco-me no labirinto à procura de um sentido. Já escrevi tantas vezes sobre o amor, amor, e já estou farta. Não tenho raízes com o amor e ele parece que não quer criar nada comigo. Mas tenho tanto amor para dar!
Este amor agita-me, faz-me pensar que sou capaz de tudo, que amanhã há sol e que a vida é maravilhosa, que vai nascer uma planta e que vai ser regada com muito carinho.

Guardei até rascunhos de cartas que nunca te enviei, releio-os e depois há sempre qualquer coisa que faz com que voltem para onde vieram. Estão todos guardados em compartimentos – os maiores no coração.

"Raízes...da palavra" Faro, 2011.

sexta-feira, agosto 26, 2016

Pai é o lugar de onde viemos.

Pai é árvore que dá sombra quando nos deitamos no jardim

É baloiço quando nos penduramos nos seus ramos.


Pai é onda que nos embala

Que nos retira o medo de boiar de olhos fechados.


É colo onde nos podemos entregar.


Pai é ventania que nos despenteia quando fazemos maldades.

É chuva que nos faz ficar em casa a reflectir.


Pai às vezes não há.


Mas Pai é uma família gigante.

Pai é a mãe a levar-me à escola.

Pai é a avó quando me senta no seu colo para conversar comigo.

Pai é lambidela de um cão amigo quando estou a chorar.


Pai é casa para onde regressamos todos os dias.


É um gesto de amor.


Faro, 2016.